quarta-feira, agosto 24, 2011

Paraíso Higiénico

Um dos maiores desconfortos, mas sem surpresas, de viajar no sudeste asiático é a casa de banho. Confesso que gosto do sistema de ter um buraco no chão, que para as mulheres é até fácil de utilizar (calculo que para os homens seja bastante mais complexo o chamado tiro ao alvo), bastando ter uma certa força de pernas para aguentar os agachamentos quase até ao chão. Mas acaba por ser bastante higiénico (ao contrário das, por exemplo, existentes nos festivais ou mesmo em bares do Algarve, que de tão altas, o difícil é conseguir usá-las sem tocar em nada).

Ao buraco no chão soma-se a ausência de autoclismo. Essa parte é feita através de um pequeno balde de plástico, que se enche num balde maior cheio de uma água tépida, água essa que se vai vertendo, pacientemente, até acharmos que já está tudo “limpo”.

Mas o mais incrível nas casas de banho asiáticas é o chuveiro, preso em qualquer parede aleatória do compartimento. Imagino que para quem gosta do ambiente húmido, típico das monções, consiga conciliar várias actividades ao mesmo tempo com este esquema. Eu sou mais dos que gostam de ler no trono. E não suporto um papel higiénico ensopado.

Bom, mas tudo isto é comodidade, se pensarmos numa viagem de autocarro do Laos para o Vietname de 25 horas na qual não nos foi permitida mais que uma visita a um paraíso higiénico destes.

Um comentário:

  1. gosto do pormenor ;) O "tiro ao alvo" depende sempre do artista...

    ResponderExcluir